A fase visual da cata de vinhos
03/02/2016

A fase visual da cata de vinhos

O universo do homem é, principalmente, visual. A vista, a diferença do olfato ou gosto, nos dá impressões certas e claras. É um sentido instantâneo, dinâmico e preciso. Indagaremos hoje na fase visual da cata de vinhos.

Antes de beber um vinho e de cheirá-lo, é fundamental olhá-lo. Esta fase inicial exige um pouco de esforço tanto para amadores como para profissionais do vinho. Mas catar sem ver o vinho acentua a dificuldade para poder realizar um juízo objetivo. O aspecto de um vinho nos oferece muitas informações sobre ele, além de sua cor. Nesta fase visual não podemos saber quase nada da qualidade e sabor do vinho, mas sim fazer uma primeira ideia sobre sua idade, variedade e bom estado.

vino rosso

Quais são os atributos que se observam na fase visual?

1.- Limpidez e brilho. Estão melhor valorados os vinhos limpos ou sem partículas em suspensão e se diz que têm brilho quando geram luz própria. É importante levar em conta que transparência ou limpidez e brilho não são a mesma coisa. Um bom vinho não pode nunca aparecer turvo (com partículas em suspensão). Os vinhos sem brilho geralmente também são vinhos com baixa acidez e, em consequência, algo insípidos. A maior parte dos vinhos brancos e rosados costumam apresentar brilho devido a um maior grau de acidez.

2.- Fluidez. Segundo a variedade de cepa e o método de elaboração, um vinho pode ser mais ou menos fluido. A fermentação em barrica produz vinhos ricos em glicerol (tipo de álcool) de textura mais densa, denominada glicérica. A forma mais prática de comprovar esta característica é observar o movimento do vinho quando giramos a taça e em como se marcam as lágrimas ou gotas nas paredes. Convidamos vocês a realizar a prova com nossos Garzón Reserva Tannat.

GARZÓN_Tannat 1200

3.- Borbulhas. Se catamos vinhos espumosos, o gás carbônico em forma de borbulhas é imprescindível; e melhor ainda: quanto mais abundante e regular seja seu desprendimento formando linhas ascendentes retas, com uma coroa ou acumulação persistente na beira da taça temos a referência de uma elaboração e criação adequada. Em vinhos não espumosos, a presença de borbulhas é quase sempre mal sintoma, sinal de criação incontrolada. Entretanto, existem exceções em alguns vinhos jovens brancos e rosados; busca-se deixar um resto de carbônico (agulha) que serve para reforçar sua frescura.

4.-Cor. A variedade de uva, sistema de elaboração, criação e conservação em garrafa determinam a cor de um vinho, que é o parâmetro mais importante para observar, pois proporcionar muitas pistas sobre a idade do vinho, seu estado, evolução ou alterações. Nessa instância convidamos a comprovar por você mesmo a diferença entre uma taça de Garzón Tannat 2011 e outra de 2014.

Pouring white wine drop by drop

Há um princípio básico em quanto à cor dos vinhos: “Com o tempo, o vinho tinto vai se aclarando, o branco vai se escurecendo e o rosado vai se estragando”. Os responsáveis destas mudanças de cor são os polifenóis que no vinho se classificam principalmente em dois grupos: antocianos e taninos.

Um vinho branco jovem é brilhante de cor amarelo pálido com irisações douradas e reflexos verdosos devido a sua acidez. Com o tempo, ao envelhecer, adotam a cor amarelo dourado intenso, amarelo ouro e inclusive com matizes âmbares. Um vinho branco criado em barrica com muito brilho e cor dourado, pode ser jovem e sua cor e tonalidade a seu passo pela madeira.

Um vinho rosado jovem costuma ser luminoso, brilhante, de cor rosa, intenso e vivo. Observemos o Pinot Noir Rosé da Adega Garzón. Algumas variedades, ao amadurecerem em pouco tempo, adquirem tons cor salmão, com matizes de alaranjados.

Por outro lado, um vinho tinto jovem é vivo, luminoso, brilhante, de intenso grená ou cereja, com beira (contorno) violáceo e fluido. Ao envelhecer, vai adotando matizes mais cálidos, uma cor rubi com tons alaranjados e contorno ou beirada telha e inclusive marrom.

Vinos-rosados

A intensidade colorante de um vinho não é um critério de qualidade, mas informa sobre a estrutura do vinho. Em efeito, a cor e quantidade de taninos, vão geralmente juntos. Se a cor é profunda e forte, é quase certeiro que o vinho tem corpo e será rico em expressão tânica como acontece com os Tannat Reserva da Adega Garzón.

A cor é uma das qualidades mais fascinantes nos vinhos. Ver, cheirar, degustar, cada uma das fases da degustação de vinhos tem seu atrativo. Permita-se ser seduzido pela fase visual da cata de vinhos e desfrute uma taça de seu vinho preferido da Adega Garzón.

Veja todos os vinhos
Vinhos

Nossas recomendações

Alvarinho
Reserva 2018

Alvarinho

Tannat
Single Vineyard 2016

Tannat

Cabernet Franc
Cabernet Franc
Petit Clos 2016

Cabernet Franc

Turismo de vinho

Outras Experiências Garzon

  • Tour Garzón Reserva
    Turismo de vinho

    Tour Garzón Reserva

    Deleite-se com a bela vista e visite a adega enquanto degusta vinhos da linha Reserva

  • Tour Garzón Estate
    Turismo de vinho

    Tour Garzón Estate

    Deleite-se com a bela vista e visite a adega enquanto degusta vinhos da linha Estate

  • Cooking Class
    Turismo de vinho

    Cooking Class

    Aprenda a preparar receitas simples e regionais junto ao staff mais exclusivo de Punta del Este

  • Garzón desde o Ar
    Turismo de vinho

    Garzón desde o Ar

    Voe a mais de 300 metros de altura, desfrutando as vistas desde um globo aerostático